2.6.05

MADEIRAS





A madrugada que dói, tão dói a madrugada
A sombra corrói a sombra ai a cor sobre a cor quase de cor

E estar aqui tão só sobre a falésia
com Sagres e governo em pormenor.
E estar aqui sobre o lume das areias
com pontes sobre as dunas com madeiras.

E estar aqui de azul e sobre azul, com água
parque e movimento, foz e quase lume, quase queijo
ou pedra sobre o rio, ponte, quase cais,
quando a ponte cai e se descai, como a cidade.
.




Comments:
mergulho no azul. é muito forte e eu perco-me de mim.
 
"E estar aqui" lendo um poema e eram palavras e já são música, e música é o que fica das palavras do poema. Belo, belo!
 
You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it »
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?