29.6.05

EMÍDIO GUERREIRO




Retiro do jornal PÚBLICO a notícia da morte de EMÍDIO GUERREIRO, um conterrâneo e amigo:

"Emídio Guerreiro, figura proeminente na luta contra a ditadura salazarista, morreu hoje em Guimarães, aos 105 anos de idade, noticia a Lusa.

Segundo a SIC Notícias, o corpo de Emídio Guerreiro será transladado ainda hoje para Lisboa, onde ficará em câmara ardente na casa maçónica, de acordo com a sua última vontade. A data do funeral ainda não é conhecida.

Ao longo da sua longa vida, que atravessou três séculos, Emídio Guerreiro assistiu à implantação da República, viu nascer e morrer a ditadura, de que foi um dos mais destacados combatentes, atravessou duas guerras mundiais e participou na construção do regime democrático em Portugal.

Emídio Guerreiro nasceu a 6 de Setembro de 1899, em Guimarães, numa família de ideais republicanos, que acolheria como seus durante toda a vida.

Frequentou a Universidade do Porto, onde cursou Matemática, depois de ter lutado como voluntário na I Guerra Mundial, o seu primeiro encontro com a conturbada história do século XX.

Em 1926, um golpe de Estado impõe a ditadura em Portugal, mas a 3 de Fevereiro do ano seguinte Emídio Guerreiro junta-se aos revoltosos que, em vão, tentaram derrubar o poder dos golpistas. Em 1928, funda no Porto a loja maçónica "A Comuna", do Grande Oriente Lusitano Unido.

Em 1932, escreve um panfleto contra o então presidente Óscar Carmona, acabando por ser detido, mas um ano depois conseguiria evadir-se, iniciando um exílio que se prolongaria por mais de 40 anos. A primeira paragem é em Espanha, onde dá aulas, mas o início da guerra civil leva-o a combater ao lado das forças republicanas.

Em 1939, com a vitória dos franquistas, fixa-se em França, passando à clandestinidade quando os nazis invadem o país, durante a II Guerra Mundial, tendo sido membro activo da resistência à ocupação alemã.
Findo o conflito, Emídio Guerreiro voltou ao ensino de Matemática na Academia de Paris.

Na capital francesa, funda em 1967, juntamente com outros exilados políticos, a LUAR, Liga Unificada de Acção Revolucionária, para combater o regime salazarista.

De regresso a Portugal, depois do 25 de Abril, participou na fundação do PSD, tendo sido eleito secretário-geral do partido em 1975. Deputado à Assembleia Constituinte, viria a afastar-se do PPD, descontente com o rumo que o partido estava a seguir, tendo-se aproximado nos últimos anos do PS.

Em entrevista ao "Expresso", por ocasião do centenário do seu nascimento, Emídio Guerreiro elegeu a dignidade humana como o ideal que norteou a sua vida. "Como não pode haver dignidade se não houver liberdade, naturalmente que eu lutei pela liberdade. Lutei contra todos os regimes prepotentes, lutei contra todas as ditaduras", afirmou."


UMA ROSA VERMELHA PARA ESTE CIDADÃO DO MUNDO.

Comments:
Se me permites, junto uma.
 
Very nice site! » » »
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?