25.6.06

POEMA




MEDITAR EM LISBOA
Queria desconhecer os arcos e túneis das cidades,
os aquedutos sem água sobre as casas, imitando a pedra-ançã,
com jardins encostados a recantos sem vento e sem ar do mar.

Quem me dera não saber o lugar da morada das coisas
mais pequenas, onde se pode tocar o pólen e juntar os dedos para
as nuvens acumuladas em cima. Largar a vida

e saborear o gesto de dividir mais sementes pelos campos. As flores
vermelhas de Junho trazem meses de atraso e os acantos
estremecem debaixo das árvores de Lisboa.

O rio atravessa a folhagem e há os barcos e os cargueiros metálicos.
A água transformou-se em espelho de líquidos suspensos
e, do lado de lá, revê-se a terra húmida.

Se as ruas queimassem as margens e ardessem de doçura na cidade,
como um corpo breve a dissolver-se à porta das casas e dos muros,
o que seria de nós, ó caminhante afastado ?

Não te esqueças dos arcos e dos prolongamentos das avenidas.
As festas durarão até tarde e todos esquecerão a árvore derrubada
onde se abre um silêncio na raiz. O que há-de ser

dos animais que não compreendem a falta de alimentos ? À tarde,
com a pele aquecida pela última bala do último caçador, a Terra
chamará a si a palavra - a estrela aberta.

Comments:
este poema tem uma "alma" especial, se é que os poemas a têm. Deve ser a alma do poeta...
 
Este poema é muito belo! Beijos.
 
Poema muito bonito, Firmino.
E esta canção fabulosa do Zeca é um excelente complemento que só o valoriza, obviamente.
A confraternização de sábado passado foi excelente.
Um abraço.
 
Não foi este poema que recitaste no jantar?Continuação do gostar.
Um abraço. Augusto
 
Parabéns,
pelo poema e um abraço





meu amigo: Precisava falar sobre
a associação 25/Abril é possível?
 
Só para deixar um @bração após o meu regresso de uma ausência mais ou menos breve.

Zeca da Nau
 
Excellent, love it! »
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?